Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desenhos Animados - Anos 90

Blog sobre todos os desenhos animados dos anos 90 e alguns que eu gostei a partir do ano 2000.

Sab | 14.09.19

História da Programação Infantil na televisão portuguesa: RTP1

desenhosanimados-anos90

A programação infantil em televisão iniciou-se em 1963 por iniciativa de uma equipa de produção que procurava divulgar a qualidade de formas e conteúdos para os mais novos. Na programação infantil, Maria João Avillez tornou-se numa apresentadora muito admirada pela forma como se empenhava na crónica humorística e na divulgação de figuras como o Pica-Pau, o Quim Pincelada, o Sebastião ou o Dói-Dói.
No que concerne aos conteúdos dos programas infantis da época, destaque para o “Mãos à Obra”, um programa que se centrava no aeromodelismo, e para o “Clube Juvenil”, que fez uma aposta significativa no xadrez.
Em 1966, a programação infantil sofreu alterações com a introdução de programas durante os dias da semana, no horário entre as 20h30 e as 21h: ”O Carrossel Mágico”, as aventuras da menina Anica e do seu cão Franjinhas, o Saltitão, o Ambrósio, o tio Realejo e o Flávio são algumas personagens de programas desta época.
Segundo dados da RTP, em 1973 a Telescola e os programas educativos dominavam a programação do canal de serviço público, com 770 horas, seguida da programação cinematográfica, com 487 horas, e do Telejornal (incluindo as actualidades) que chegava às 431 horas.
A rubrica televisiva “Cinema de Animação”, apresentada por Vasco Granja iniciou-se em 1974 e esteve no ar durante 16 anos, contabilizando um total de cerca de um milhar de edições. Um dos maiores sucessos foi “O Lápis Mágico”, uma série que pretendia desenvolver a capacidade imaginativa das crianças.
Em 1977, o Departamento de Programas Infantis e Juvenis, a cargo de Maria Alberta Menéres, introduziu na programação séries de sucesso como a “Wickie” ou a “Heidi”, com o aparecimento das dobragens em português. Espaços como o “Abre-te Sésamo”, que viria a dar lugar a “Rua Sésamo”, um programa de que falaremos mais adiante pela importância que teve, e o “Fungagá da Bicharada, foram grandes sucessos na televisão portuguesa.
No início da década de 80 a programação infantil ficou marcada por três rubricas: “Arte & Manhas”, um programa divertido com Júlio Isidro no papel do “Tio Julião”, “Quadrados e Quadradinhos”, directamente do teatro Villaret, e por último “Miúdos e Graúdos”, assente num modelo de programa musical orientado para os interesses das crianças onde se abordavam temáticas relacionadas com a escola, sociedade, ambiente e televisão.
No ano seguinte nasceu o “Bom-Dia Domingo” pensado para juntar todas as gerações à volta do ecrã. Ainda no mesmo ano surgiu rato Topo Gigio que se apresentava após o telejornal da noite.
Em 1982 surgiram o “Vamos Cantar um Conto”, “Segredos dos Dedos” e “As Crianças e os Livros”. O primeiro, como o próprio nome o indica, era um contar de histórias infantis ao som de canções enquanto que o segundo programa, “Segredos dos Dedos”, teve a duração de 13 emissões e eram apresentados e desenvolvidos temas que permitissem aos mais pequenos ocupar os seus tempos livres. Este programa teve ainda como característica o facto de as crianças poderem participar em estúdio e mostrar o que eram capazes de fazer com as mãos. O último tipo de programa era uma viagem que Maria Alberta Menéres e Otília Ribeiro faziam pela literatura infantil.
Um telejornal feito para os mais novos foi a inovação que se fez sentir no campo da programação infantil em 1984. O “Jornalinho” aliava a informação que interessava aos mais pequenos, blocos de notícia de desporto e da actualidade internacional, com séries infantis. No início do mesmo ano, a chefe do Departamento de Programas Infantis e Juvenis, Maria Alberta Menéres, conseguiu uma nova área de produção deste tipo de programação e em 1988 nascia “O Romance da Raposa”, uma produção portuguesa. O êxito alcançado por esta série permitiu a sua extensão a várias estações de televisões estrangeiras.

"Juventude e Família" era o espaço responsável pela dose de desenhos animados dos Sábados e Domingos de manhã, transmitido de 1986 até ao final de Março de 1990.

No final de Março de 1990, aos Domingos "Juventude e Família" foi substituido temporariamente por "Domingão". No inicio de Abril, aos Sábados foi substituido por "Meu Querido Sábado", e finalmente, ao terminar as férias grandes, ambos foram substituidos pelo "Canal Jovem".

Entre 1986 e 1989 a RTP1 transmitiu o "Clube dos Amigos Disney".
O ano de 1989 ficou na história da programação infantil com o lançamento da “Rua Sésamo”, uma das séries infantis mais acarinhada pelas crianças.

Entre o final dos anos 80 e inicio dos anos 90 a RTP1 emitiu o espaço “Brinca Brincando”.

Em 1991 nasceu o “Clube Disney”, exibido semanalmente.
Cada emissão era apresentada por um grupo de jovens que se dedicava a abordar um tema diferente por meio de filmes de animação dobrados em português, reportagens, séries da Disney, participação dos telespectadores via telefone e por um espectáculo itinerante.

Em 1993 e 1994, as manhãs aos fins-de-semana da a RTP eram preenchidas com o “Canal Jovem”, e nos três anos seguintes foi exibido o “Sempre a abrir”.
Em 1996 nasceu o www.aldeiaglobal.pt, uma rubrica emitida de segunda a sexta-feira que se dedicava às novas tecnologia. A rubrica que se tinha apresentado com  uma vertente simultaneamente educativa e lúdica dava destaque à Internet procurando levar conhecimentos sobre as novas tecnologias aos alunos de várias escolas do país.
Em 1997 surgiu “O Jardim da Celeste”, um programa pensado para substituir a consagrada “Rua Sésamo”. No programa, Ana Brito e Cunha era uma educadora de infância com uma carrinha mágica que em cada episódio levava as crianças para um sítio diferente. Cada nova aventura contava com a presença de 11 bonecos de personalidades distintas mas sempre disponíveis para uma destemida aventura. 


Em 1999 surge um vasto leque de escolhas, programas que se sucediam constantemente a outros que chegavam ao fim. Tudo começou com “Tic-Tac”, um bloco matinal de desenhos animados que iam para o ar diariamente, mas logo na reestruturação de Outono cedeu o lugar para o programa “Infantaria”, que era realizado em directo nos períodos da tarde nos dias úteis e no bloco da manhã ao fim-de-semana, e que cativou a atenção do público-alvo com facilidade. O período de sucessões ainda não tinha terminado, e a “Infantaria” foi substituída pelo “Recreio do Tonecas” e o "Saídos da Casca" que tinham lugar no período da tarde. Em comum os programas tinham a presença de crianças em estúdio e incluíam a apresentação de desenhos animados e séries, concursos, jogos e passatempos.

Em 2001, a RTP perdeu o direito de exibição das séries da Disney e de forma a compensar a audiência infantil, introduziu dois novos programas de produção externa: o “Clube Zip” e o "Mega Zip". Exibido nas manhãs do fim-de-semana, o programa era preenchido por passatempos, jogos, música e pequenos concursos.


Em 2002 registam-se duas épocas distintas de programação infantil: na primeira que vai até Outubro desse ano, a programação incluía apenas “Espaço Infantil” aos fins de semana.

Nos primeiros meses de 2002 surgiu o espaço "A Hora Warner", em parceria com a Warner Bros, emitido no final das manhãs de fim de semana.

Também nesse ano surge o programa "Floresta Mágica" nas manhãs de fim de semana.

Na reestruturação da grelha surgiu um bloco de desenhos animados com o nome “CMM - Canal Meninas e Meninos”, nas tardes da RTP1, que terminou em Janeiro de 2003.

Em 2003 no inicio das manhãs de fim de semana a RTP1 emitiu o programa "Brincar a Brincar".

No ano 2004 a RTP1 estreia o programa "Martataka" que tinha como pano de fundo um fabuloso cenário que retratava a Terra e Marte e que incluia desenhos animados. 

Em abril de 2006 surgiu nas manhãs de fim de semana o espaço "Brinca Comigo" que se manteve até 2012.

Actualmente, as crianças apenas têm um espaço a elas dedicado ao fim-de-semana, o "Zig Zag" que se inicia às 6h30 da manhã e termina às 8h. Este espaço de hora e meia é composto por desenhos animados.